Ministério da Verdade está oficialmente instituído no Brasil?

Publicado por Homero Carmona em

O Ministério da Verdade é na prática uma parte do partido que está responsável por alterar as informações (ou a forma que elas são apresentadas) para que elas suportem, ratifiquem o que o governo autoritário disser. Neste sentido, vale mudar dados do passado, presente e do futuro.

Apesar da origem do Ministério da Verdade, como ele funciona na prática?

Vamos a exemplos de algumas diferentes nações e sistemas políticos para que isso fique claro.

Começando pelo exemplo fácil…

Quando se fala em autoritarismo, logo as pessoas se lembram de Cuba e Coréia do Norte.

Governos comunistas e autoritários, mas a gente vai ver que não só eles que tem “Ministério da Verdade” trabalhando a todo vapor.

Na minha viagem para Cuba, pude falar com as pessoas e entender um pouco sobre o dia-a-dia e os medos delas, além de ver algumas coisas por outro lado.

Existem várias ações que buscam alterar percepção da verdade para manter o povo sob controle. A principal delas é a mensagem constante de que a “Revolução Contínua”.

É fato que Cuba sofre até hoje com os embargos econômicos dos EUA, entretanto, uma “revolução” aconteceu na década de 60, quando Fidel, Che e outros insurgiram contra o governo.

Dizer que a “Revolução Contínua” reiteradamente nas rádios, jornais, TV, outdoors é uma forma de incutir o medo de que a dominação americana está prestes a voltar… Mas não está.

A sensação de medo é uma das melhores formas de o governo manipular um povo. A outra forma poderosa, é criar um inimigo, um oponente, criando a sensação de “nós X eles”, ou de “bem X mal”.

A repetição desta retórica faz crescer o medo de que o seu inimigo mau e autoritário vai (re)tomar o poder a qualquer momento. Oportunamente, o governo se aproveita deste medo dizendo:

Para evitar que estes bandidos nojentos tomem o poder, eu vou instituir o meu governo autoritário do bem para proteger nosso povo!

Parece absurdo, mas funciona, e muito!

O outro lado da moeda, o autoritarismo capitalista americano

Como Donald Trump chegou ao poder? Usando exatamente a mesma tática que mantém Cuba na “Revolução” até hoje:

Criando um inimigo invisível e gerando medo constante em uma parcela da população, a mais conservadora!

Fazer a América grande, novamente!

Precisamos subir um muro na fronteira com o México, eles estão roubando os empregos e a dignidade dos americanos de bem!

Esta retórica, criou o medo e o fanatismo em muitos americanos conservadores.

Infelizmente, existe de fato uma imigração ilegal muito grande para os EUA através da fronteira com o México. Por outro lado, é fato que não é culpa dos Mexicanos todas as mazelas americanas, nem de longe…

Muito menos é verdade a afirmação de que a “América não é mais grandiosa”. Os EUA continuam sendo (e continuavam sendo em 2016, nas eleições) a maior potência econômica do mundo, além de ser a maior potência bélica e científica.

Agora, em 2020, Trump busca repetir a estratégia de encontrar um “inimigo comum”, atacando repetidamente a China, que é hoje a segunda maior potência econômica.

Acusa a China de protecionismo econômico, de manipular a OMS, de criar o Coronavírus e de, claro, fazer com que a “América não seja tão grande assim”.

Ele tinha boas chances de emplacar mais um vez o discurso de medo “nós X eles”, mas o Coronavírus não aceita mentiras, ele não negocia. Já matou centenas de milhas de americanos e trouxe milhões de desempregados.

Mapa Coronavirus nos EUA - 110 mil mortos - Fonte New York Times
Mapa Coronavirus nos EUA – 110 mil mortos e subindo! – Fonte New York Times

Alterar o sentimento de perda de tantas pessoas vai ser um pouco mais complexo, por isso, ele parou de “negar” a existência ou a força da Covid-19.

Agora, o que resta, é continuar a retórica de “medo dos chineses” que querem dominar o mundo e destruir a América.

Paralelos brasileiros…

Bolsonaro, Dória e Lula, cada um com seu próprio Ministério da Verdade
Bolsonaro, Dória e Lula

Em 1989, a disputa pela primeira eleição democrática brasileira foi acirrada.

A estratégia de Lula, foi a mesma que ele sempre utilizou como sindicalista, “nós X eles”. Os trabalhadores, contra os empresários e banqueiros. Depois de uma década de hiperinflação e muito caos, essa retórica quase o levou à presidência.

Em 2002, o discurso se abrandou muito, mas continuou com a ideia de “vamos governar para os pobres”.

Ao mesmo tempo que deu certo, gerou uma enorme instabilidade na bolsa de valores com o medo do Lula que em 1989 prometia “atacar” os banqueiros – os “eles malvados”…

Na prática, Lula foi muito mais amigo dos banqueiros do que outros governantes e oposicionistas poderiam imaginar.

Nos tempos atuais

Depois de 14 anos de governo de esquerda, que teve avanços, mas que se manteve no poder com a retórica do medo de “voltarmos a um governo capitalista que não olha para os pobres” em “Fra-flus” com o PSDB, veio uma nova virada.

As eleições de 2018 construíram a retórica de que o esquerdismo brasileiro era comunista e nos levaria a fins como o de Cuba e Venezuela. Visto problemas reais que aconteceram nos anos de governo de esquerda, a retórica colou.

Colou e estão mantendo ela bem colada ao longo do governo, através do seu “Ministério da Verdade” com duas formas bem firmes:

  1. Somos os salvadores e estão contra mim: STF, Congresso, Governadores, Prefeitos e, claro, a “Globolixo” e os esquerdistas.
  2. Não podemos permitir que aqueles “sacripantas esquerdistas comunistas” retomem o poder e coloquem o país “novamente” no caminho de ser uma nova Venezuela.

A partir destes dois pilares, os Ministros da Verdade tratam de fazer alteração dos fatos ou da leitura deles, dizendo que, por exemplo:

A próxima eleição e os candidatos a ministros da verdade já estão em ação!

No Estados de SP, passamos pela “alteração” da verdade da maneira mais rápida e eficiente de todas.

Há algumas semanas, propondo um embate político com Bolsonaro, Dória dizia que o “importante eram as vidas”, enquanto o presidente insiste na abertura econômica.

Dória e seus ministros da verdade continuam dizendo que o que importam são a vidas, repetindo diariamente. Ao mesmo tempo, começaram a fazer exatamente o contrário do que pregavam 30 dias atrás, mesmo sem o cenário de saúde ter mudado substancialmente.

Dória fez o plano de reabertura tão consistente quanto os europeus e comunicou com maestria (requisito essencial para ministérios da verdade em pseudo-democracias).

A parte que seu ministério da verdade não conta (e por isso, consegue mudar a percepção de verdade) é que este plano deveria ser implementado daqui 30 ou 60 dias, não agora.

Resumindo a situaçãoa brasileira

Independente de você achar que tudo que está acima é verdade ou mentira, o fato é que todas elas propõe uma “revisão” do passado, criando a ideia de que antes tudo era mentira e de que precisamos lutar contra os inimigos prol de um bem maior, instaura o medo, polariza e cria fanáticos.

Cada um a seu tempo, cada um a seu modo…

(Re)conhece algum Ministério da Verdade?

Ao contrário do que foi imaginado na distopia de George Orwell, não existem “Ministérios da Verdade” formais, com nome e sobrenome.

O que existe, são governos com percepções ideológicas e que buscam apresentar números e dados que interessem ao seu plano de poder, seja ele capitalista, comunista ou simplesmente egoísta, egocêntrica.

Mais importante ainda, é que esta ação continuada gera não só “crédulos” no governo, gera também uma onda de fanáticos que são alimentados pelo medo do inimigo invisível, do passado deplorável que pode voltar ou de uma catástrofe que precisa ser impedida.

Nosso papel como cidadão neste momento tão atritado é de não permitir enfiarem qualquer balde destes nas nossas cabeças e seguir buscando o melhor para todos, sem pensar que é uma luta “nós X eles”, pobres X ricos, comunistas X capitalista ou o que quer que seja.

Esta é a forma que eu vejo, mas talvez você veja as coisas Por Outro Lado… Por isso, deixe seu comentário e a sua opinião abaixo!


2 comentários

joao · 08/06/2020 às 09:29

concordo plenamente!

Qual o meu impacto? Maior do que eu pensava! - Por Outro Lado · 05/08/2020 às 14:19

[…] do intercâmbio e da viagem, suando sangue para difundir a educação internacional em um ambiente econômico-social bizarro, principalmente neste últimos 5 […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *